O SINDICATO

HISTÓRICO

Com a necessidade da criação de um órgão com representatividade sindical para defender, coordenar e proteger interesses individuais e coletivos da atividade profissional dos policiais federais e servidores administrativos surge, em 22 de agosto de 1989, o Sindicato dos Servidores Públicos Civis do Departamento de Polícia Federal no Estado de São Paulo (SINDPOLF/ SP).
Desde então, policiais e servidores do Estado contam com um órgão competente e coeso nas reivindicações sociais e trabalhistas, que tem realizado, desde sua fundação, ações que permitem a melhoria contínua das condições de trabalho no Departamento de Polícia Federal, colaborando com o fortalecimento da instituição e realizando as transformações que a categoria profissional deseja e a sociedade necessita.
O SINDPOLF é o único e legítimo representante no Estado de São Paulo de toda a Carreira Policial Federal, composta pelos cargos de Agente, Escrivão, Papiloscopista, Delegado e Perito, bem como pelos servidores administrativos do Plano Especial de Cargos da Polícia Federal.

A primeira Assembleia Geral Extraordinária de 2018 foi realizada na sexta-feira (02/02), na sede do SINDPOLF/SP, em São Paulo. Os sindicalizados expuseram seus pontos de vista com um intenso debate sobre a criação da Polícia de Nível Médio na Polícia Federal e a unificação das carreiras de Agente e Escrivão propostas pela Direção Geral.

Sobre esse ponto, o presidente do SINDPOLF/SP, Alexandre Santana Sally, esclarece o porquê de os papiloscopistas não estarem incluidos na unificação. “Há mais de cinco anos existem grupos de trabalho sobre a reestruturação da Policia Federal. E, a pedido da Abrapol, representante de classe dos papiloscopistas, esses profissionais não participam da unificação”.

Na assembléia realizada na sede do SINDPOLF/SP foi feita votação e o resultado será enviado para a Fenapef. Houve participação on line das regionais e seus membros também opinaram sobre essas questões. 

O resultado mostrou que 54%  dos participantes da assembleia são contra a criação da Polícia de Nível Médio,  33% são favoráveis à criação desde que regulamentada por lei (Decreto ou Lei ordinária ou Complementar) e 13 % se abstiveram de votar. Com relação à unificação das carreiras de Agente e Escrivão, 95 % são favoráveis à proposta e 5 % contrários. 

Ao final da reunião, verificou-se que parte  dos presentes não eram filiados. Alexandre Sally se posicionou a respeito quando foi informado do fato. “A cara de pau dos que não pagam o sindicato é tão grande que 10% dos presentes não eram sindicalizados. É por essa razão que nas próximas assembleias haverá controle rigoroso da entrada dos participantes”, comentou o presidente que acrescentou: “O sindicato existe para defender os interesses dos seus sindicalizados,  que pagam para isso. Não é correto quem não paga emitir qualquer tipo de opinião ou mesmo participar de qualquer tipo de assembléia”.

Amanhã (06/02) haverá uma segunda reunião, em Brasília, de todas as entidades representantes de todos os cargos da Polícia Federal. Nilto Mendes da Silva (vice-presidente do SINDPOLF/SP) e Achilles José Larena (membro do Conselho Fiscal Efetivo do Sindicato) estarão presentes.

Sindicalizados durante a primeira Assembleia Geral Extraordinária de 2018