O SINDICATO

HISTÓRICO

Com a necessidade da criação de um órgão com representatividade sindical para defender, coordenar e proteger interesses individuais e coletivos da atividade profissional dos policiais federais e servidores administrativos surge, em 22 de agosto de 1989, o Sindicato dos Servidores Públicos Civis do Departamento de Polícia Federal no Estado de São Paulo (SINDPOLF/ SP).
Desde então, policiais e servidores do Estado contam com um órgão competente e coeso nas reivindicações sociais e trabalhistas, que tem realizado, desde sua fundação, ações que permitem a melhoria contínua das condições de trabalho no Departamento de Polícia Federal, colaborando com o fortalecimento da instituição e realizando as transformações que a categoria profissional deseja e a sociedade necessita.
O SINDPOLF é o único e legítimo representante no Estado de São Paulo de toda a Carreira Policial Federal, composta pelos cargos de Agente, Escrivão, Papiloscopista, Delegado e Perito, bem como pelos servidores administrativos do Plano Especial de Cargos da Polícia Federal.

Na tarde de ontem (12/08), o vice-presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), Flávio Werneck, acompanhado do policial federal especialista em aviação, José Luiz Boanova, se reuniu com especialistas em regulação de aviação civil e técnicos de segurança da aviação civil contra atos de interferência ilícita, da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), em Brasília (DF), para assegurar o direito do embarque armado aos policiais federais em voos domésticos regulares ou charter.

A nova resolução da Anac, que ainda está em fase de desenvolvimento, estabelece os procedimentos de embarque de passageiro armado, despacho de arma de fogo e de munição e transporte de passageiro sob custódia a bordo de aeronave civil.

Para o vice-presidente da Fenapef, a resolução restringe o trabalho do policial federal, principalmente por, constitucionalmente, a PF possuir atribuições de polícia aeroportuária.

“Temos o compromisso de manter a segurança e a ordem aeroportuária e sabemos da responsabilidade de portar uma arma durante o voo. Para isso, todos os policiais federais recebem treinamento na Academia Nacional de Polícia para compreender o que pode ou não ser feito durante situações de risco. E a reunião se deu justamente para apresentar propostas que confirmem a expertise dos servidores policiais para que, assim, o embarque armado seja garantido a todos. Sejam ativos ou inativos da Polícia Federal”, afirmou.

As propostas apresentadas pela Fenapef foram anexadas ao processo de edição da resolução e serão encaminhadas à Diretoria da Anac para serem analisadas. Uma nova reunião poderá ser marcada em breve para discutir os pormenores já expostos pela federação.

Fonte: FENAPEF